Guia do ciclista

20 de junho de 2022 | Categoria: Road

Roteiro, distâncias e altimetria do Tour de France 2022

A corrida vai largar no dia primeiro de julho e terá um total de 3.328 kms

O Tour de France 2022 vai passar por quatro países: Dinamarca, Bélgica, Suíça e, claro, a França. A Dinamarca se tornará o 10º país a sediar o Grand Départ e o mais setentrional da história do Tour. Na França, a corrida passará por 8 regiões e 29 departamentos.

 Etapa 01 – 01/07 – 13,2 km

Contra Relógio individual – COPENHAGUE até COPENHAGUE

A Queen Louise Bridge tem a fama de ser a rota de ciclismo mais movimentada do mundo. Há um punhado de curvas em um percurso bastante técnico.

– Etapa 02 – 02/07 – 202,2 km

Etapa plana – ROSKILDE até NYBORG

Os atletas do Tour já saborearam a experiência de andar sobre o mar para chegar à meta em Zeeland em 2015. Nesta ocasião, a travessia do Great Belt tem 18 quilômetros de extensão e há uma forte possibilidade de que os pilotos tenham que lutar com um vento forte. As equipes mais aptas a lidar com condições de vento terão uma carta tática para jogar. Se algum dos favoritos não estiver atento o suficiente, terá boas razões para se arrepender do final.

– Etapa 03 – 03/07 – 182 km

Etapa plana – VEJLE até SØNDERBORG

Embora o percurso nunca se afaste da costa da península da Jutlândia, estará menos exposto ao vento do que no dia anterior e isso deverá facilitar o controle da prova por parte das equipas de velocistas. Antes de um dia de deslocamento e um primeiro dia de descanso não convencional no Tour, esta etapa deve ver a primeira rodada na batalha entre os velocistas.

– DESCANSO E TRANSFER – 04/07

– Etapa 04  – 05/07 – 182 km

Etapa ondulada – DUNKERQUE até CALAIS

Embora a etapa comece e termine no nível do mar, a quantidade de escalada no meio pode dar aos velocistas algum motivo de preocupação. O pelotão irá, por exemplo, dirigir-se às colinas da Flandres Ocidental e depois visitar as colinas de Boulonnais. É provável que haja muitos ataques de longo alcance, especialmente na seção final ao longo da costa que pode ser ventosa: as subidas perto de Cap Gris-Nez e Cap Blanc-Nez podem ser decisivas.

– Etapa 05  – 06/07 – 154 km

Etapa ondulada – LILLE MÉTROPOLE até ARENBERG PORTE DU HAINAUT

Em 2018, a última etapa do Tour sobre os pavês terminou com John Degenkolb vencendo em Roubaix. Esta etapa contará com uma quantidade equivalente de ação chocante no que é o desafio mais acrobático da semana de abertura.

– Etapa 06  – 07/07 – 220 km 

Etapa ondulada – BINCHE até LONGWY

Esta é uma longa caminhada pelas Ardenas, e os candidatos à vitória terão que avaliar bem seu esforço se quiserem brilhar no final, que é ainda mais difícil do que o da última vez que o Tour visitou Longwy. Os principais punchers estarão à frente no Mur de Pulventeux, situado a 6 km do final (800m de comprimento e média de 12%), antes de ter a oportunidade de mostrar suas qualidades explosivas na Côte des Religieuses.

– Etapa 07  – 08/07 – 176,5 km

Etapa de montanha – TOMBLAINE > LA SUPER PLANCHE DES BELLES FILLES

Embora este será o primeiro cume do Tour 2022. O Super Planche des Belles Filles garante sempre um acabamento de alta intensidade. Como um grande teste de escalada do dia, as diferenças no final não devem ser tão substanciais, mas as posições finais dos pilotos darão uma forte indicação da forma dos candidatos ao pódio.

– Etapa 08  – 09/07 – 186,5 km

Etapa ondulada – DOLE até LAUSANNE

O terreno selecionado para a passagem pelo Jura, antes da entrada da prova na Suíça, não foi pensado para favorecer os escaladores. A hora deles vai chegar. No entanto, os punchers especializados em esforços explosivos devem saborear uma subida curta e íngreme que é nova no Tour: um paredão de 1 quilômetro com uma inclinação de 12%.

Etapa ondulada – AIGLE até CHÂTEL LES PORTES DU SOLEIL

Uma semana exigente chega ao fim com o primeiro teste de montanha autêntico. Os pilotos terão que se ajustar a um novo ritmo nas etapas consecutivas na Suíça, embora não os leve ao limite. Um grupo em fuga com um bom equilíbrio de atletas poderia aproveitar essa entrada  nos Alpes.

DESCANSO – 11/07

– Etapa 10  – 12/07 – 148,5 km

Etapa ondulada – MORZINE LES PORTES DU SOLEIL até MEGÈVE

Realizada depois de um dia de descanso, esta etapa apresenta paisagens montanhosas de tirar o fôlego, especialmente quando corre ao longo do Lago Genebra antes de seguir em direção a Megève. A rota serpenteia por uma série de vales e deve culminar com uma batalha entre os favoritos para a camisa amarela. A linha de chegada está localizada no altiporto como no Critérium du Dauphiné 2020.

– Etapa 11  – 13/07 – 152 km

Etapa de montanha – ALBERTVILLE até COL DU GRANON SERRE CHEVALIER

Nenhum dos candidatos à camisa amarela pode se dar ao luxo de cometer um deslize hoje. As subidas são apertadas, começando com os picos de Montvernier, depois continuando com a travessia das passagens Télégraphe e Galibier. Depois de passar por Serre-Chevalier, faltam 10 quilômetros de escalada com uma média de mais de 9% para chegar ao Col du Granon, de 2.413 metros, que foi o ponto de chegada mais alto do Tour em 25 anos.

– Etapa 12  – 14/07 – 165,5 km

Etapa de montanha – BRIANÇON até ALPE D’HUEZ

Há um espaço para história aqui, bem como o desejo de fechar a Batalha dos Alpes em uma rota feita sob medida para os melhores escaladores. É uma réplica exata da etapa Briançon-Alpe d’Huez de 1986, com a subida do Galibier mais uma vez no programa, seguida da subida do Col de la Croix de Fer.

– Etapa 13  – 15/07 – 193 km

Etapa plana – LE BOURG D’OISANS até SAINT-ÉTIENNE

É possível supor que um episódio importante na batalha pela camisa verde será disputado em Saint-Étienne. Um perfil sem nenhuma dificuldade significativa deveria, em teoria, permitir que as equipes que estão focadas em sprint finalizassem hoje. Em etapas deste tipo, os pilotos em fuga terão pouco espaço de manobra, mas ainda podem esperar o melhor…

– Etapa 14  – 16/07 – 192,5 km

Etapa ondulada – SAINT-ÉTIENNE até MENDE

Esse percurso nunca chega em altitude muito elevada, mas as exigências físicas dos pilotos serão quase incessantes enquanto correm de Saint-Étienne a Mende. Esta caminhada pelos departamentos de Loire, Haute-Loire e Lozère colocará em ação os pilotos mais fortes. Depois, no Jalabert Montée de la Croix Neuve que leva ao aeródromo acima de Mende, provavelmente haverá duas batalhas: a primeira entre os pilotos de fuga e a segunda pelos favoritos na GC.

– Etapa 15  – 17/07 – 202,5 km

Etapa plana – RODEZ até CARCASSONNE

A estrada para Carcassonne é muitas vezes montanhosa e os altos e baixos que levam a ela podem favorecer fugas. Mas nesta ocasião, a rota foi projetada para atender às equipes dos velocistas. Isso desde que eles trabalhem duro para controlar os atacantes do dia, que ainda podem conseguir produzir uma surpresa.

DESCANSO – 18/07

– Etapa 16  – 19/07 – 178,5 km

Etapa ondulada – CARCASSONNE até FOIX

O primeiro dia nos Pirenéus pode ser um bom momento para os pilotos em fuga… desde que estejam preparados para lidar com as montanhas, claro. Para comemorar a vitória em Foix, os pilotos terão primeiro que lidar com a subida ao Port de Lers e depois avançar no Mur de Péguère. Os cerca de 20 quilômetros do cume em direção ao centro administrativo do Ariège não são particularmente difíceis.

– Etapa 17  – 20/07 – 130 km

Etapa de montanha – SAINT-GAUDENS até PEYRAGUDES

O cenário é tão suntuoso para os espectadores quanto exigente para os atletas, que terão que defender suas posições. Depois de cruzar o Col d’Aspin e o Hourquette d’Ancizan, os ataques podem vir logo na subida ao Col d’Azet. E na final, até os melhores escaladores podem tropeçar ao enfrentar as subidas íngremes em direção ao altiporto Peyragudes.

– Etapa 18  – 21/07 – 143,5 km

Etapa de montanha – LOURDES até HAUTACAM

A última etapa de montanha apresenta todos os tipos de possibilidades. Colapsos inesperados, emboscadas e reviravoltas de todos os tipos podem estar nas cartas graças à ligação dos passes Aubisque e Spandelles, este último aparecendo pela primeira vez na rota, seguido pela subida final para Hautacam. Simplesmente não há descanso. Se as posições de liderança ainda não estiverem asseguradas, a maior batalha do Tour poderá ser disputada nesta etapa final dos Pirinéus.

– Etapa 19  – 22/07 – 188,5 km

Etapa plana – CASTELNAU-MAGNOAC até CAHORS

Curiosamente, depois de passar pelos departamentos de Gers e Tarn-et-Garonne, a estada do Tour no Lot remete aos dias de abertura da corrida: o castelo de Cayx, localizado perto de Cahors, pertence à família real dinamarquesa. Entre seus súditos no pelotão, não devem faltar velocistas capazes de brilhar em Cahors.

– Etapa 20  – 23/07 – 40,7 km

Contra relógio individual – LACAPELLE-MARIVAL até ROCAMADOUR

O bom desempenho num contrarrelógio no final do Tour exige sempre um certo tipo de alquimia, decorrente do grau de cansaço de um atleta após três semanas de corrida, da sua motivação dada a sua possível posição final na classificação geral e da sua intrínseca qualidades nesta única disciplina. Além disso, em 2022 haverá uma final com duas subidas a caminho do ponto alto de Rocamadour.

– Etapa 21  – 24/07 – 116 km

Etapa plana – PARIS LA DÉFENSE ARENA até PARIS CHAMPS-ÉLYSÉES

A Champs-Élysées, o tradicional ponto de chegada da etapa final do Tour de France desde 1975, será o cenário para uma dupla cerimônia inédita, sediando não apenas a prestigiosa final da corrida masculina, mas também a largada de um evento histórico feminino . Antes da grande final de corrida do Tour, a primeira etapa da primeira edição do Women’s Tour de France with Zwift será realizada no circuito final no coração de Paris.

Veja também

20 de julho de 2022

Tecnologias na bike – o que deu certo e o que deu errado?

O que você acha que pode dar certo e o que pode dar errado nas inovações tecnológicas? Por Breno Bizinoto Parece que foi ontem que implantaram o VAR no futebol. Lembro até hoje de escutar na TV aberta (na época a gente ainda utilizava essa […]

Leia mais
18 de abril de 2022

O ciclismo em prol do MTB e vice-versa

Você pratica somente uma modalidade, mas pensa em praticar a outra? Entenda os benefícios Por Breno Bizinoto É muito comum ver os atletas amadores e profissionais praticarem mais de uma disciplina do mundo da bike. Geralmente, todos os atletas tem uma modalidade favorita, mas sempre […]

Leia mais
21 de julho de 2022

ESTÁ DE VOLTA O MAIOR PASSEIO DE BICICLETA DE SÃO PAULO

A 3ª edição do Passeio Ciclístico Shimano Fest & Santuu promete reunir 20 marcas parceiras e 8 mil ciclistas participantes Se você foi um dos que se apaixonou pela bicicleta durante a pandemia, esse passeio é para você. Ou: já é ciclista há longo tempo? […]

Leia mais
black 12